Cultura indígena: Desconstruindo estereótipos

Cultura indígena: Desconstruindo estereótipos

Hoje me deparei com um vídeo maravilhoso no perfil de Kawhã Pataxó e pensei em como seria rico abrir um debate após um olhar sobre ele com nossas crianças de Fundamental I.

Este debate poderá se aprofundar a partir do 4° ano com uma análise da música RETORNO que dá ainda mais força à mensagem extremamente significativa do vídeo.
Vídeo indígena música o retorno

É um protesto à cerca dessa cultura preconceituosa e estereotipada que foi sendo criada ao longos dos anos dentro e fora de nossas salas de aula.

O uso do sagrado do povo indígena como uma suposta homenagem , mas que na verdade minimiza suas lutas e os transforma em mera fantasia carnavalesca ou uma figura estática, frágil e cercada de estereótipos no dia do índio.

É preciso repensar a forma como apresentamos os indígenas e sua cultura aos nossos alunos e certamente este é um vídeo que ajudará de uma forma incrível!



Os versos da música são claros e fortes. 

Ouça mais de uma vez até que tenha internalizado a mensagem e isso se reflita na forma como apresentará o povo indígena para seus alunos não apenas no 19 de Abril, mas durante todo o ano letivo

Música : SOUTO MC - RETORNO

Quanto tempo de nós foi tirado?
Quanto tudo que é nosso é negado?
Anos após ano tentaram
Mas olha pra nós, todos retornaram
Quanto tempo de nós foi tirado?
Quanto tudo que é nosso é negado?
Anos após ano tentaram
Mas olha pra nós, todos retornaram


Filhos da terra, de volta pra terra, todo canto do mundo é seu lar
Nossa alma não grita mas berra, nosso canto é guerra que atravessa rio e mar
Não vão mais roubar, não vão mais ousar
Da história de um povo se apropriar
Cocar não é enfeite ou brinquedo,se exige respeito,repensa antes de usar
Não deixamos de ser o que somos por conta de um celular
São mais de 500 anos, que eles causam danos visando apenas cédulas
Territórios originários e não fundiários, herança viva secular
Crença nas criança, o levante avança, trazendo vitória incrédula
Querendo a pintura, querendo o sagrado
Querendo a cultura, querendo o legado
Não somos só figura pra ser estudado
Somos ruptura de colonizados
Feitos de bravura, não domesticado
Força que perdura, não catequizados
Eles captura, traz escravatura, e nós é que tem que ser civilizado? (não)
Dispenso elogio "exótica", homenagem racistas patética
Nossa presença além de estatística
Lógicas sexistas antiética
Sem tempo pra ser didática
Queremos a prática enfática que tanto se fala
Ser ver por completo e não só objeto de sala de aula
Entre dor e trauma, história e drama
Carrego na alma das histórias a trama
De raiz nordeste como cajarana
Ceará agreste sem a raça ariana
Somos suçuarana, somos Sagarana
Na saga em busca e nada ofusca
A volta pra terra de Pindorama
(Pindorama)

Post a Comment

Complemente esta postagem com suas sugestões. É sempre muito interessante enxergar outras formas de aplicação de determinada proposta ou os muitos pontos de vista de nossas leituras e reflexões.
Esperamos ansiosos sua colaboração!

Postagem Anterior Próxima Postagem